quinta-feira, 21 de maio de 2015

Recordar é viver: Conheça o apartamento de FHC em Paris. Ele tem renda para isso?

Só 11 milhões de euros.

Avenue Foch: endereço de milionários, ditadores foragidos e caudilhos com pose de estadista.
Avenue Foch: endereço de milionários, ditadores foragidos e caudilhos com pose de estadista.

Via Blog do Saraiva

Algum problema com as pessoas que moram na Avenue Foch em Paris? Nenhum problema, exceto se a pessoa não tiver renda para isso ou se essa renda for obtida de forma ilegal. Quem conhece esse local de Paris, muito bonito e disputadíssimo, apesar de o metro quadrado por lá ser caríssimo, diz que a Avenue já teve como moradores alguns dos carniceiros africanos, ditadores e gente rica, mas de muito má fama. De certo que moram lá também e, provavelmente são maioria, moradores honrados e honestos, gente que tem dinheiro declarado e ganho de forma limpa e, portanto, que não deve satisfação a ninguém.

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso tem um apartamento na Avenue Foch, só agora, porém, admitiu isso. Parece que comprou o apartamento de um milionário brasileiro que dizem ter participado de operações durante a ditadura. Tudo isso, quanto custou o apartamento, quando e de quem foi comprado, é teoricamente da conta de FHC e eu não estou insinuando que ele comprou esse apartamento sem poder ou com dinheiro ilegal.

Só não entendo é o motivo de ele esconder por tanto tempo que tem o apartamento, de durante anos e anos afirmar que era “emprestado” e nossa imprensa (sic) sempre ter embarcado nessa história e jamais explorado o fato, como, com certeza, exploraria se o apartamento fosse do Lula, que tivesse mentido sobre ser proprietário.

***

FHC e apartamento de luxo em Paris. E se o apartamento fosse de Lula, o que a mídia diria?



Nos idos de dezembro de 2002, quando FHC já sabia que seu candidato estava fora do páreo, perdendo o cargo de presidente da República para o torneiro mecânico Luiz Inácio Lula da Silva, o ainda presidente já se arrumava para se mudar do Palácio da Alvorada. Fernando Henrique estava juntando tudo para guardar em um depósito em São Paulo até que a reforma de seu novo apartamento da rua Rio de Janeiro – a dois quarteirões de seu antigo endereço na Rua Maranhão, em Higienópolis – ficasse pronta.

Contudo, logo após a entrega da faixa presidencial para Lula, …

Folha de S.Paulo, 17/12/2002
Fernando Henrique Cardoso vai passar três meses na Europa, baseado em Paris. Ele ficará hospedado em um apartamento de Jovelino Mineiro, seu ex-sócio na fazenda Córrego da Ponte, em Buritis (MG). A parte de FHC hoje está em nome dos filhos do presidente.
Entretanto…

Folha de S.Paulo, 17/12/2002
O presidente Fernando Henrique Cardoso espera ver concluída no início de 2003 a reforma pela qual passa seu novo apartamento no Edifício Chopin, na rua Rio de Janeiro, bairro de Higienópolis, em São Paulo.

O apartamento tem uma área de cerca de 400 metros quadrados e fica de frente para a rua Pernambuco. No mesmo prédio, um apartamento com 200 metros quadrados – metade da área do imóvel de FHC – está sendo vendido por R$530 mil.
Incrível, né?
***FHC_Apto_Paris01
Folha de S. Paulo, 12 de janeiro de 2003, página A7, Coluna de Janio de Freitas
O endereço
Janio de Freitas


Data imprecisada, ou imprecisável, e não recente. Fernando Henrique Cardoso, no uso de toda a simpatia possível, discorre para os comensais suas apreciações sobre fatos diversos e pessoas várias. De repente, intervém a mulher de um brasileiro renomado, há muito tempo é figura internacional de justo prestígio, ministro mais de uma vez, com importantes livros e ensaios. Moradores íntimos de Paris por longos períodos, mas não só por vontade própria, constam que nela nada restringe a franqueza. Se alguém na conversa desconhecia a peculiaridade, ali testemunhou um motivo para não esquecê-la:

“Pois é, mas nós sabemos do apartamento que Sérgio Motta e você compraram na Avenue Foch.”

Congelamento total dos convivas. Fernando Henrique é quem o quebra, afinal. Apenas para se levantar e afastar-se. Cara fechada, lívido, nenhuma resposta verbal. A bela Avenue Foch, seus imensos apartamentos entre os preços mais altos do mundo, luxo predileto dos embaixadores de países subdesenvolvidos, refúgio certo dos Idi Amim Dada, dos Bokassa, dos Farouk e, ainda, de velhos aristocratas europeus.

Avenue Foch, onde a família Fernando Henrique Cardoso está instalada. No apartamento emprestado, é a informação posta no noticiário, pelo amigo que passou a figurar na sociedade da fazenda também comprada por Sérgio Motta e Fernando Henrique Cardoso, em Buritis. Avenue Foch é ela que traz de volta comentários sobre a historieta, indagações de sua autenticidade ou não, curiosidade em torno do que digam outros possíveis comensais.

O PSDB não tem moral para acusar quem quer que seja

PSDB E A FONTEEm vídeo divulgado pela Justiça Federal, o delator Paulo Roberto Costa revela detalhes do pagamento de propina no valor de 10 milhões de reais ao então presidente do PSDB, Sérgio Guerra (PE), já falecido, para impedir uma CPI no Congresso com recursos desviados da #Petrobras.A transação contou com a intermediação do deputado federal tucano Eduardo da Fonte(PE), conterrâneo de Guerra, que até agora não foi formalmente citado na investigação. Por quê?

Posted by Partido dos Trabalhadores on Quarta, 29 de abril de 2015

'Lula, com gosto, topa a polêmica que FHC pediu na TV'






Por Fernando Brito, do Tijolaço

Como era de se esperar, Lula reagiu com gosto às provocações lançadas por Fernando Henrique Cardoso anteontem à noite no programa do PSDB, onde o tucano o acusou de ter sido o governo do petista a fonte de todos os "erros e desvios" que ele diz terem tomado conta do Brasil.


"Eu vi o programa do nosso adversário na terça-feira. Fico triste, porque um homem que foi presidente da República, letrado como ele é, não tinha o direito de falar a bobagem que ele falou".

Triste, Lula, só se for pela pequenez de FHC, mas do ponto de vista da política, ele fez tudo o que não devia fazer.

E vai ler, espumando, o que você diz:

"Se ele quisesse falar de corrupção, ele precisaria contar para este país a história de sua reeleição. Eu espero que, com a mesma postura com que ele foi agredir o PT ontem à noite, ele diga – se não quiser dizer para mim não tem problema, eu sei como foi. Senta na frente do seu neto e conta pra ele. Seja verdadeiro".

"Ele deveria contar ao país a história de sua reeleição".

Lula entrou direto no ponto mais fraco de FHC nesta discussão:

"Não teve no nosso mandato 'engavetador' no Ministério Público e não teve afastamento de delegado da Polícia Federal por investigar. Só há um jeito das pessoas não serem incomodadas neste país, é serem honestas, é fazerem a coisa certa. Não tem tapete para esconder a sujeira. No tempo deles, só tinha tapete"

E foi claro ao registrar que é contra ele, mais que contra Dilma, que os tucanos querem atingir:

"Eu estou assustado. Agora, eles já não querem mais atacar a presidente Dilma Rousseff. Eles já estão pensando que tem de balear o Lula, pensando que o Lula vai voltar em 2018. Eu nem sei se vou estar vivo".

Se vai estar vivo – e tudo indica que sim – ninguém pode saber, mas que está vivíssimo para não deixar escapar a polarização que, na sua histeria, os tucanos propuseram em seu programa de TV, está, e muito.

E não deixou de dar recado aos "paneleiros":

"A presidente foi eleita pelo voto direto. Quem não gostar dela, e quiser eleger o seu, espera as próximas eleições"

Sem golpe.

quarta-feira, 20 de maio de 2015

PSDB é uma gralha de mau agouro, não pensa o Brasil, que supera barreiras e faz acordos bilionários


 ELE É TUCANO, MAS AGORA É TAMBÉM GRALHA. EIS O NOVO PSDB!


O programa político-eleitoral do PSDB não passou de uma tragicomédia cheia de penas de aves de mau agouro. Trágico, porque políticos do PSDB acusados de cometerem irregularidades e malfeitos quando ocuparam cargos executivos e legislativos acusaram o Governo Trabalhista, o que mais combateu a corrupção na história do Brasil de conviver e até mesmo ser parte da corrupção.

E cômico, porque quem acusou o Governo Popular de ser corrupto foram exatamente os tucanos, que nunca investigaram coisa nenhuma, a terem, inclusive, um procurador-geral da República, que atuou nos sombrios e sofridos governos de Fernando Henrique Cardoso — o Neoliberal I —, conhecido como engavetador-geral. Porém, de uma coisa eu não tenho dúvida, se existem pessoas com amnésia no Brasil, essas pessoas são os tucanos do PSDB.


Acontece que tal “amnésia”, que toma o corpo, a alma e o cérebro dessa gente, tem fundamentalmente o propósito de causar confusão junto à população, porque os tucanos não são do povo e nunca recorrem às ruas para defender seus projetos, geralmente dedicados às causas da burguesia dona de corporações empresariais e bancos. A verdade é que tais aves de bico longo e voo curto são politicamente sorrateiras, dissimuladas, manipuladoras e contam, insofismavelmente, com a cumplicidade dos coxinhas-tucanoides-paneleiros.


Já estes seres, politicamente alienígenas e irremediavelmente deprimidos por verem os pobres melhorarem de vida, dão a impressão de terem vivido todo o tempo em que respiram muito além da estratosfera, porque desprovidos de qualquer conhecimento sobre as causas do atraso de nossa sociedade. Os coxinhas-tucanoides-paneleiros são assim, porque rejeitam e, com efeito, sentem temor por tudo aquilo que ultrapasse os limites fronteiriços de seus umbigos. Os combustíveis que os movem são a ignorância e o preconceito.


Enquanto os tucanos se transformam em gralhas de maus agouros, ficam também a fazer bravatas, hipocrisias e demagogias em televisão. Ou simplesmente apelam para a mentira, pura e simples, como se comportou, sem disfarçar, o senador Aécio Neves, que até agora, tal qual a um menino birrento que foi impedido de brincar de presidente da República, não conseguiu digerir a derrota para a presidenta trabalhista, Dilma Rousseff. Por causa disso, Aécio e seus sequazes se mostram, indelevelmente, arrivistas, pois hedonistas, caracteres em cujos principais objetivos são concretizar seus prazeres, desejos e contentamentos.


Os tucanos e seus primos do DEM são, antes de tudo, hedonistas, a terem o arrivismo como forma de fazer política. E o arrivista é invejoso, vingativo e destrutivo, o que o impede, indubitavelmente, de pensar no desenvolvimento do Brasil e na emancipação do povo brasileiro. Tucano não pensa o Brasil. Trata-se de uma ave descompromissada, fútil e leviana. Tucano vende o Brasil e o despreza. Quem me contou sobre o comportamento e a conduta dessas gralhas agressivas foi uma senhora chamada História. Ponto.


Concomitantemente à prosopopeia de Aécio Neves e companhia na tevê, a vida segue seu rumo, as pessoas continuam a respirar e o governo democrático do PT, eleito pela maioria dos brasileiros, está a aprovar seus projetos e resoluções no Congresso, no que diz respeito aos reajustes na economia propostos pelo ministro da Fazenda, Joaquim Levy, além de Dilma Rousseff ter vencido a oposição de direita, no que é relativo à aprovação do nome do jurista Luiz Edson Fachin para ocupar uma das 11 cadeiras do Supremo Tribunal Federal — STF.


A vida continua, insisto. Enquanto os tucanos vociferam na televisão a cobrar, com a maior cara de pau, o que eles nunca fizeram quando governaram o País como caixeiros viajantes, o Brasil, administrado por uma mandatária petista, continua sua trajetória em busca da independência ao assinar com a China um mega-acordo que dispõe sobre capacidade produtiva e investimento, em áreas e setores de infraestrutura, manufaturas, mineração e energia elétrica.


Além disso, os brasileiros e os chineses anunciaram 35 acordos comerciais, bem como está prevista a criação de um fundo de US$ 50 bilhões para investimentos no País, com o apoio da Caixa Econômica Federal e do Banco de Desenvolvimento da China. Os países, dois dos cinco sócios do Brics, ainda vão construir uma ferrovia que cujo trajeto vai começar no litoral do Pará e vai terminar no Pacífico, em litoral peruano. Uma resposta direta aos Estados Unidos, no que concerne ao controle administrativo e financeiro do Canal do Panamá pelo país yankee.


Um país diplomaticamente oportunista, porque sempre foi adepto da diplomacia do porrete. Preocupado com o avanço das relações do Brasil com a China e Cuba, os estadunidenses resolveram apressadamente reatar as relações comerciais com a pequena nação caribenha, que há mais de meio século sofre uma violência inominável, que é o embargo econômico imposto pelos gringos do norte, um verdadeiro crime de lesa-humanidade, que depõe contra o mito de que os Estados Unidos são os guardiões da democracia e dos direitos civis da humanidade. Uma farsa e lástima, porque a verdade é que este poderoso país está em guerra desde sua independência, porque de sangue vive, pois necessita se sustentar economicamente.


Por sua vez, deparo-me com a figura de *Fernando Henrique Cardoso na televisão. Apesar de seus quase 84 anos, o vaidoso príncipe da pirataria continua a tentar salvar sua péssima biografia presidencial, porque compreende o fracasso de seus sombrios governos, que se recusaram a criar empregos para a maioria da população, que, por causa disso, tinha dificuldade até para comer.

Porém, suas tentativas de se redimir não vão surtir efeito, porque o povo não é idiota e se lembra muito bem de seus governos entreguistas e subservientes de céus acinzentados, sujeitos a raios e trovoadas. FHC fez eu rir, pois sua figura parecia como a de um fantasma Neoliberal I dos idos da década de 1990. Como pode — esta é a pergunta — um homem que governou o País como um caixeiro viajante, cujos governos são acusados de vários crimes de corrupção, sendo que muitos deles cansei de citar em meus artigos, acusar o Lula e o PT de serem os responsáveis pela corrupção na Petrobras?


Respondo: Não pode. Como não pode falar de mensalão, sendo que o do PSDB é o primeiro e que até hoje não foi julgado. Enquanto o do PT não foi comprovado, porque se o recurso do “domínio do fato” é a ferramenta de comprovação, aí é melhor rasgar a Constituição, o Código Penal e mandar para o inferno o Estado Democrático de Direito.


Contudo, não vou citar novamente os mais de 45 casos de corrupção de grande envergadura, porque realmente escandalosos, nos governos elitistas e sombrios de FHC — o Neoliberal I —, aquele que foi ao FMI três vezes, de joelhos, humilhado e com o pires nas mãos, porque quebrou o Brasil três vezes.


Os tucanos que se transformaram em gralhas de mau alvitre e de agouro perderam o fio da meada, porque enquanto o Brasil supera barreiras, assina acordos bilionários para consolidar o desenvolvimento da Nação, os tucanos vão para a televisão mentir, a pensar que todo mundo é idiota e acredita em tucanagem. Essa gente foi à tevê e não apresentou um único programa de governo quanto mais um projeto de País. É porque o PSDB-UDN não pensa o Brasil. O choro é livre e o canto de gralha tucana é sonoramente horrível. É isso aí.




Davis Sena Filho

Davis Sena Filho é editor do blog Palavra Livre

Boa noite

Esposa de Beto Richa é investigada por exigir dinheiro para promover auditores fiscais

Esposa de Beto Richa é investigada por exigir dinheiro para promover auditores fiscais

Posted by Enio Verri on Quarta, 20 de maio de 2015

Tucanos corruptos e hipócritas



#PSDBteuPASSADOteCONDENA
Posted by Compartilhe13 on Terça, 19 de maio de 2015

Musa da CPI Zelotes

Foto de Bella da Semana.
Foto de Bella da Semana.

Cadê a crise na Petrobras?

Petrobras assina financiamento de US$ 5 bi com banco chinês 





A Petrobras assinou nesta terça-feira 19 um acordo de cooperação com o Banco de Desenvolvimento da China (CDB) para os anos de 2015 e 2016 no valor de US$ 5 bilhões. Outro acordo, de US$ 2 bilhões, foi fechado entre a estatal e o China EximBank, que não prevê desembolso imediato, mas parcerias em projetos, totalizando financiamentos de US$ 7 bilhões com bancos chineses. Leia abaixo o comunicado divulgado nesta quarta-feira 20 pela Petrobras sobre o financiamento de US$ 5 bilhões:

Petrobras assina acordo de financiamento de US$ 5 bilhões com Banco de Desenvolvimento da China

A Petrobras assinou ontem, 19/5, acordo de cooperação com o Banco de Desenvolvimento da China – CDB para os anos de 2015 e 2016.

A operação engloba financiamento de US$ 3,5 bilhões - já desembolsados, conforme comunicado em 1º de abril deste ano - e o desembolso adicional de US$ 1,5 bilhão, totalizando US$ 5 bilhões no ano de 2015.

O acordo foi assinado pelos presidentes da Petrobras, Aldemir Bendine e do CDB, Hu Huainbang, durante cerimônia realizada em Brasília.

Este acordo dá continuidade à parceria estratégica entre o CDB e a Petrobras, fortalecendo a cooperação entre as economias dos dois países.

Recordar é viver:O recheio da pasta rosa e o caso do Banco Econômico


Laurez CerqueiraLaurez CerqueiraBrasília - Em agosto de 1995, funcionários do Banco Central que trabalhavam numa auditoria contábil, financeira e patrimonial, nas dependências do Banco Econômico, sob intervenção, encontraram na sala do ex-dono do banco, Ângelo Calmon de Sá, uma pasta de cor rosa com documentos com fortes indícios de serem de doações de dinheiro a campanhas eleitorais. A existência dessa pasta só se tornou pública em dezembro daquele ano.

A pasta continha um fax enviado em 2 de agosto de 1990, pelo então presidente da Federação Brasileira dos Bancos, Léo Wallace Cochrane Júnior, para Ângelo Calmon de Sá. Nela havia recibos e notas fiscais de serviços supostamente prestados a campanhas eleitorais e uma lista que relacionava nomes de vários políticos a quantias em dinheiro recebidas.O fax enviado pelo banqueiro Wallace Cochrane Júnior era uma classificação dada pela Febraban - Federação Brasileira dos Bancos aos candidatos à eleição de 1990, com o objetivo de facilitar aos banqueiros a escolha dos políticos que lhes interessariam ajudar financeiramente. A lista continha nomes de candidatos a governador, senador e deputado federal, que concorreram nas eleições de 90, relacionados a notas em escala de 1 a 10.

Nesta lista estavam os nomes de Luís Eduardo Magalhães, PFL/BA, José Serra, PSDB/SP, Francisco Dornelles, PPB/RJ, José Sarney, PMDB/AP e muitos outros, num total de 45 políticos. Em 1990 a legislação eleitoral proibia a doação de dinheiro por empresas a candidatos. Em 1994 essa prática foi legalizada por nova lei.

Em meio à papelada foram encontrados também comprovantes de pagamentos como recibos, notas fiscais de produtoras de vídeo, de agência de turismo e de instituto de pesquisa que teria prestado serviços à candidatura de José Agripino Maia, PFL, do Rio Grande do Norte, ao Senado. Todos os gastos relacionados aparecem como tendo sido um serviço prestado ao Banco Econômico. Algumas dessas notas seriam falsas e teriam sido emitidas por empresas "fantasmas", segundo noticiário da época.

Um outro grupo de documentos continha uma espécie de contabilidade sobre o financiamento de campanhas eleitorais, da qual constam os nomes dos candidatos e respectivos valores parciais e totais ao lado deles. Nessa segunda listagem o valor total das notas fiscais somadas chegava a US$ 2,5 milhões de dólares. Os números variam de político para político, sendo que os valores mais elevados estavam listados ao lado de candidatos a cargos mais importantes, como de governadores. Quem mais teria recebido dinheiro naquela eleição, segundo os documentos, teria sido Antônio Carlos Magalhães, PFL/BA, que era candidato ao Senado. Ele teria levado 45% de todas as doações da "pasta rosa", um total de US$ 1,1 milhão de dólares, informou a revista Istoé, na época.

Os candidatos constantes do fax da Febraban, segundo informou Cochrane à imprensa, eram apenas “indicações”, não haviam recebido, necessariamente, dinheiro do Banco Econômico. Dos 45 listados sete deputados estavam na relação de beneficiados: Benito Gama, PFL/BA, Manoel Castro, PFL/BA, José Lourenço, PFL/BA, Carlos Sant’Anna, PFL/BA, Eraldo Tinoco, PFL/BA, Leur Lomanto, PFL/BA e Genebaldo Corrêa, PMDB, este último, um do grupo dos chamados "anões do orçamento", cassado por corrupção, depois de investigado pela CPI do Orçamento, nos anos 90. Além desses, mais 19 políticos constavam da lista dos beneficiados pelas doações. Os políticos baianos listados faziam parte do grupo do ex-senador Antônio Carlos Magalhães, na época grande acionista do Banco Econômico, de propriedade do amigo Ângelo Calmon de Sá, também sócio em outros negócios com o banqueiro.

Apenas para refrescar a memória, Ângelo Calmon de Sá foi Ministro da Indústria e Comércio do Governo do general ditador Ernesto Geisel. Foi um fiel colaborador e escudeiro dos governos militares, apoiou as candidaturas de Fernando Collor de Melo e de Fernando Henrique Cardoso, juntamente com o ex-senador baiano Antônio Carlos Magalhães, principal articulador e fiador da aliança PSDB-PFL, que dominou a política brasileira nos anos 90.

O Banco Econômico foi socorrido numa operação que custou R$ 3 bilhões dos cofres do famoso PROER - Programa de Estímulo à Reestruturação e ao Fortalecimento do Sistema Financeiro Nacional, criado pelo governo Fernando Henrique Cardoso para salvar bancos particulares, quando José Serra era ministro do Planejamento. O PROER, uma espécie de "cesta básica" para banqueiros, consumiu R$ 37 bilhões de recursos públicos.

No decorrer das investigações sobre as atividades do Banco Econômico, em fevereiro de 1996, Ângelo Calmon de Sá foi indiciado por crime de sonegação fiscal e do "colarinho-branco". Em seguida, numa atitude que causou perplexidade a quem acompanhava as investigações sobre a acusação de financiamento de campanha por bancos, entre eles o Banco Econômico, o Procurador-geral da República, Geraldo Brindeiro, apelidado de "Engavetador-geral da Republica" pediu ao Supremo Tribunal Federal o arquivamento do processo sobre os políticos acusados de receber dinheiro de instituições financeiras para suas campanhas eleitorais, alegando falta de provas, e o STF acatou, cobrindo com um manto de mistério um dos maiores escândalos sobre financiamento de campanhas eleitorais da história recente do Brasil.


Mas, felizmente a coisa não parou por aí. Recentemente, a juíza Daniele Maranhão Costa, da 5ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal, acatou denúncia apontando dano ao erário, enriquecimento ilícito e violação aos princípios administrativos no caso Banco Econômico. São réus nessa ação, além do ex-ministro e banqueiro Ângelo Calmon de Sá, praticamente toda a equipe econômica do governo Fernando Henrique Cardoso, incluindo o ex-ministro Pedro Malan, os ex-presidentes do Banco Central Gustavo Loyola e Gustavo Franco, que, aliás, tornaram-se banqueiros depois que deixaram o governo. Todos serão novamente investigados, e, quem sabe o "recheio da pasta rosa" venha à tona para assustar mortos e vivos?

(*) Jornalista e escritor, autor de “Florestan Fernandes vida e obra” e “Florestan Fernandes – um mestre radical.”

terça-feira, 19 de maio de 2015

Boa noite! Essa vai pros paneleiros e paneleiras

Tiriha tirada do Face



Samantha Costa:

A Câmara trama. O Senado conspira. O PSDB aterroriza. A Globo manipula. A Veja emburrece. O FHC mente. O inocente acredita. O Aécio cheira. A Marina muda. A Marta trai. O Cunha inferniza. O Malafaia odeia. O Feliciano fiscaliza. O Bolsonaro mira. O Moro atucana. O Lobão brada. A Zelotes míngua. A RBS sonega. A madame xinga. A panela bate. O fascismo flerta. O golpe galopa. A militância luta. O vermelho cresce. O PT resiste. A Petrobras progride. O mercado aquece. A gasolina baixa. O pobre viaja. O aeroporto lota. A China investe. A universidade enche. O coxinha chora. A Leitoa grita. Os William's berram. A estrela brilha. A Dilma governa. O Brasil avança. O Lula volta.

Noblat, seu filho não foi agredido por ser jornalista”




Por Fernando Brito, do Tijolaço

O coleguinha Guga Noblat deve merecer toda a solidariedade por conta das agressões que sofreu de alguns alucinados que batiam panelas no Masp, outro dia.

E estes, mais repúdio, porque tiveram a suprema covardia de, no mínimo, assustar sua filha bebê que ele carregava ao peito.

Guga, em seu Facebook, reagiu com muita dignidade e equilíbrio.

Ele mesmo diz que a hostilidade veio do fato de estar vestindo uma camiseta vermelha (ironicamente, dos tênis "All Star").

E reagiu sem se acovardar e sem agredir, embora seja quase sobre-humano manter toda a calma diante de tal absurdo.

Guga não precisa ser defendido, mas o que aconteceu com ele precisa ser, sim, tratado com indignação e sem meias palavras.

Como ser humano e pai, fiquei decepcionado com o que faz Ricardo Noblat ao comentar, também no Facebook, o episódio.

Não foi – e isso não a torna menor – a agressão a um jornalista, mas a um cidadão, a um passante – aliás um morador local – pelo simples fato de estar usando uma camisa vermelha. Pode até ser sido reconhecido por um ou outro bucéfalo, mas a verdade é essa.

Cabotinamente, compara às agressões – de novo, criminosas e intoleráveis – que seus filhos sofreram supostamente pela oposição do pai ao ex-governador do DF, Joaquim Roriz.

Não tem nada a ver. Não são capangas de um "coronel", é uma parcela da sociedade que, ainda que fossem ali uns gatos pingados, virou uma multidão nas redes sociais e é tratada omo vedete pela grande mídia.

Abra os olhos, Noblat.

Leia os comentários feitos nos Facebook,o seu próprio e os de seu filho, e veja que a extrema direita fala, praticamente, que ele merecia ser mesmo hostilizado de forma brutal.

Cito um, para não embrulhar o estômago com vários:

"É a famosa estratégia jihadista de vitimização do Guga Noblat. Faz de tudo pra criar uma polêmica e entrar na mídia. O cara sabe que vai ter protesto, aí coloca uma camisa vermelha com uma estrela pra provocar, e ainda coloca a filha no colo pra intensificar a vitimização."
E tem muitos daí para pior.

Os gritos não são de "jornalista", mas de "comunista" e de "vai para Cuba" e há um homem com idade suficiente para ter aprendido a ser um ser humano que o ameaça com repetidos "saí fora!" de "dono da rua".

Noblat, talvez o que digo até chateie seus filhos que, certamente, amam a pessoa afável que você sempre foi antes destes tempos de barbárie, mas você precisa ver que há monstros nas ruas, serpentes que foram chocadas nessa incubadora de ódios que a mídia – e seu espaço nela idem.

Procure os "comentaristas assíduos" de seu blog e veja que ele estão, em alma e palavras, ao lado desta monstruosidade.

Claro que há imbecis de esquerda, afinal a estupidez, contrariando Descartes, é das coisas mais bem distribuídas.

Mas estes fascistóides perderam, como a mídia os promove, até mesmo a vergonha da imbecilidade.
Não trate episódios como este como "agressão à imprensa", porque seu livre exercício é uma parte da democracia, por mais essencial que seja.

Foi uma episódio de barbárie contra o convívio humano, e o pior é que, se a polícia brasileira tivesse brios, estaria mandando abrir inquérito contra os que produziram a cena dantesca, independente de queixa, pois há uma menor em meio àquilo.

Até para que, de alguma forma, os imbecis que a estão aplaudindo sentissem que não podem fazê-lo.

Olha aí o tucano picareta, lider dos paneleiros.


Líder do "Vem pra rua" bate ponto e vai embora por GazetaOnline

Acordo com a China: mais um xeque da Dilma?


 

Roberto Stuckert Filho/PR: Brasília - DF, 19/05/2015. Presidenta Dilma Rousseff durante cerimônia oficial de chegada do Primeiro-Ministro da República Popular da China, Li Keqiang. Foto: Roberto Stuckert Filho/PR.




Miguel do Rosário, no O Cafezinho 

Parece que subestimamos um pouco a nossa presidenta.

Em novembro do ano passado, mencionei uma jogada política astuta dela, ao “deixar rolar” a Lava Jato. Num post intitulado “O xeque-mate de Dilma em seus adversários“, eu fazia a seguinte especulação: que a investigação na Petrobrás iria deixar um rastro destruidor, mas que o setor renasceria renovado, e a presidenta levaria os louros de ter sido a primeira governante a realmente liderar uma verdadeira luta contra a corrupção. Dilma teria lutado à sua maneira, de maneira republicana, democrática, como convêm a um estadista (a quem não compete o papel de juiz ou polícia), não intervindo, em silêncio, dando autonomia inclusive a setores explicitamente hostis ao governo. 

Era uma jogada arriscada, mas astuta. 

Não foi um xeque-mate, porém. O jogo ainda estava longe de terminar.

Do final do ano até hoje, a mídia conseguiu diversas vitórias: elegeu Cunha, conseguiu impor a narrativa de que a corrupção na Petrobrás “nasceu” com o PT, e continuou vazando delações de maneira seletiva. 

Por fim, Sergio Moro mergulhou na piscina barbosiana, recebeu o prêmio Faz Diferença, da Globo, e assumiu orgulhosamente o papel de juiz político, mais interessado em holofotes do que em justiça.
A prisão de Vaccari & família selou a sua imagem de carrasco implacável. 

Então eu – e a torcida de todos os times, à esquerda e à direita – passamos a criticar duramente a presidenta Dilma. 

A conspiração parecia ter saído do controle. O PSDB, com apoio explícito da mídia, passou a falar diariamente em impeachment. Todos os dias, os jornais catavam no baú algum pretexto para derrubar a presidenta. A palavra golpe se tornou companheira nossa de cada dia.

A direita botou milhões de coxinhas psicóticos na rua, pedindo intervenção militar.

E os procuradores se mostraram determinados a destruir as empreiteiras, para produzir, deliberadamente, recessão e desemprego, criando uma atmosfera propícia ao impeachment.

Dilma, mais uma vez, parecia entregar várias peças importantes, e não demonstrava nenhuma reação.
Até que ela… jogou.

E novamente aplica um xeque em seus adversários. Não arriscarei afirmar que se trata de um xeque-mate. Agora está claro que esse jogo só vai terminar em meados do ano que vem, ou então ao final de 2018.
Depois de apanhar calada como nunca dantes na história desse país, a presidenta Dilma finalmente parece ter encaçapado lindamente uma bola!

O acordo que o governo está celebrando com a China deu um prodigioso drible da vaca na conspiração midiático-judicial.

Uma conspiração que pretendia derrubá-la através de uma estratégia incrivelmente suja e canalha: asfixiando um dos setores mais importantes da economia, o de construção civil, e criando um clima de terrorismo econômico e caos político.

A semana passada, conforme analisei no post anterior, terminou mal para os paneleiros, e boa para o resto da população.

Quero martelar na cabeça do leitor dois fatos importantes: o lucro de R$ 5 bilhões da Petrobrás e o anúncio da China de investir R$ 160 bilhões no Brasil.

Hoje a presidenta encontrou o primeiro-ministro chinês, que confirmou a intenção da China de fazer os investimentos em infra-estrutura. Com destaque para… trens. 

Na entrevista com Dilma da qual participei, minha pergunta foi justamente sobre isso: por que o governo não promovia a criação de uma indústria ferroviária no país, a única maneira de nos livrarmos da dependência da indústria automobilística, que é tão importante, mas que não pode, naturalmente, ter o monopólio sobre a política industrial? 

A China está cruzando seu país com trens-bala e trens de transporte. Num primeiro momento, ela vai construir ferrovias para nos ajudar a escoarmos nossa produção. Num segundo, a fazer trens-bala ligando todas as grandes capitais do país.

Sobre esse tema, sugiro uma notícia publicada na BBC, que me chegou via o blog DCM.

Diante das notícias da China, a conspiração midiático-judicial ganhou uma aparência incrivelmente ridícula.
Óbvio que é importante lutar pela recuperação do dinheiro desviado da Petrobrás. 

Mas não é isso que os procuradores, com apoio de setores do judiciário, estão fazendo.

O Moro já conseguiu e conseguirá recuperar alguns milhões, mas não adiantará nada se o fizer à custa da falência do setor naval, por exemplo
.
Não adianta recuperar alguns ovos, e matar as galinhas.

Ontem, li que os procuradores conseguiram bloquear, nos últimos dias, cerca de R$ 1 bilhão das empreiteiras.

Pareceu-me que os procuradores estão realmente dispostos a sacrificar, no altar da Globo, nossas maiores indústrias de construção civil. 

Acontece que, se as empresas quebrarem, aí que não pagarão mais nada ao Estado.
Finito.

Com a entrada da China, esse terrorismo, contudo, se torna patético e, ironicamente, antipatriótico.
A China se tornou a vacina contra o golpe. Se os procuradores levarem adiante sua estratégia insana de destruir importantes empresas nacionais, nós as substituiremos por chinesas. 

Quem vai pagar o pato não serão os operários, que continuarão brasileiros, e sim um punhado de paneleiros executivos dos escalões médios das grandes empresas – e admito que terei dificuldade em sentir compaixão.
As denúncias contra os deputados, por sua vez, já aceitas pelo judiciário (um judiciário sempre pusilânime quando entram os holofotes da mídia), revelaram-se, mais uma vez, inconsistentes. Não que os deputados sejam santos, mas os procuradores não encontraram nada de concreto contra eles, e mais uma vez irão colher as provas após as denúncias, após prendê-los, invertendo pela enésima vez o princípio da presunção da inocência.

Pior, a força-tarefa da Lava Jato os acusou de crimes que não tem absolutamente nada a ver… com a Lava Jato. Um deputado do PP foi denunciado por incorporar uma doméstica como sua assessora, e um deputado petista por supostamente influenciar a Caixa a anunciar na agência de publicidade de seu irmão. Tudo ainda sem prova nenhuma, e sem nada a ver com o “petrolão”.

Com o último cartucho da Lava Jato já detonado com as delações confusas de Ricardo Pessoa, presidente da UTC, só falta resolver isso: não deixar que os procuradores, frustrados, destruam Paris.
Ou seja, é preciso impedir que os procuradores, desesperados com o fracasso de seu golpe contra o voto de 54 milhões de eleitores, detonem alguma bomba atômica sobre a indústria brasileira de construção civil, em especial os setores que trabalham com a Petrobrás.

O golpe político já está morto. Mas eles ainda podem (aliás, já estão fazendo) promover estragos de curto prazo na economia. Se conseguirmos evitar isso, através de acordos de leniência, que permitam às empreiteiras voltarem a trabalhar, pagar impostos, gerar empregos, e quitarem suas multas no devido tempo, a vitória do Brasil contra o terrorismo midiático será completa.

Tucano propineiro usa verba pública para atacar Haddad




Esse é aquele tucano safado que foi flagrado no Esquema da Alston. Escapou porque a Justiça não prende tucano.


O vereador Andrea Matarazzo, pré-candidato do PSDB à prefeitura em 2016, utilizou verba de seu gabinete na Câmara Municipal para produzir uma publicação críticas à gestão de Fernando Haddad (PT).


O jornal, batizado como 'Nova cidade', que diz que São Paulo está 'abandonada' graças a uma "gestão ineficiente e sem noção de prioridades". "Abandonada, cidade precisa de um prefeito", estampa a manchete, ao lado de uma foto do tucano.


A publicação tem tiragem de 55 mil exemplares e custou R$ 13 mil.


De acordo com o regulamento da Câmara, é permitido o uso da verba para a criação de um jornal para divulgação de atividades institucionais "desde que não haja promoção pessoal de qualquer dos vereadores por meio desse veículo de comunicação".


Matarazzo alega que é ‘é papel do vereador fiscalizar Executivo'.

Leia aqui reportagem de Gustavo Uribe sobre o assunto.

Enfim, PSDB assume ser o partido dos paneleiros






Por Ricardo Kotscho, em seu blog
Meio envergonhado no começo, sem saber direito como agir diante dos protestos do "Fora Dilma", apresentados como "espontâneos e apartidários", com seus lideres relutando em sair às ruas para se misturar aos manifestantes, agora o PSDB resolveu assumir de vez o papel de partido dos paneleiros e das marchadeiras.

Na noite desta terça-feira, o programa dos tucanos que irá ao ar no rádio e na TV servirá como um divisor de águas na guerra política. Ameaçado de perder o protagonismo das oposições, a reboque da mídia e dos movimentos organizados pelas redes sociais, os tucanos deixaram de lado o pudor acadêmico, mandaram os escrúpulos democráticos às favas, e resolveram ir à luta.

Os grandes caciques tucanos voltaram bem diferentes da temporada em Nova York, onde participaram, na semana passada, de um festival de homenagens ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Na gangorra do vai não vai que caracteriza a ciclotimia do partido, o PSDB preparou o mais duro ataque já desfechado contra seu adversário histórico, 12 anos após a perda do poder central.

É o próprio FHC, fugindo ao habitual estilo cordato, quem comanda a virada radical do partido, ao partir como um Carlos Lacerda para cima de Lula, após o programa abrir as baterias com as imagens dos panelaços das varandas promovidos contra o governo e o PT.

"Nunca se roubou tanto em nome de uma causa (...) A raiz da crise foi plantada bem antes da eleição da atual presidente. Os enganos e desvios começaram já no governo Lula. O que já se sabe sobre o petrolão é grave o suficiente para que a sociedade condene todos os que promoveram tamanho escândalo, tamanha vergonha".

Na mesma linha, e para não perder o lugar na fila dos presidenciáveis tucanos, Aécio Neves também desceu do muro e bateu pesado:

"O Brasil precisa saber definitivamente quem roubou, quem mandou roubar e quem, sabendo de tudo, se calou e nada fez para impedir. Se a corrupção ganhar, ela vai voltar cada vez pior, cada vez mais forte. É hora de fazer o que é certo".

E o que é certo? Ao longo do programa, o PSDB nada diz a respeito. Repete apenas as palavras de ordem da mídia, das ruas e das varandas contra o PT, Lula e Dilma, mas em nenhum momento aproveita a propaganda partidária para apontar alternativas à política econômica adotada pelo governo. Fica difícil saber o que o partido ganha com isso pois quem concorda com este discurso já votou em Aécio nas últimas eleições. Os descontentes com o governo podem buscar outras alternativas, não necessariamente as tucanas.

Por coincidência, o programa do PSDB, em clima de panelaços de fim de feira, vai ao ar na mesma semana em que o Brasil recebe o maior volume de investimentos externos já aportado no país. São US$ 53 bilhões em projetos de infraestrutura que a comitiva do primeiro ministro da China, Li Keqiang, vai apresentar hoje em encontro com a presidente Dilma Rousseff.

Como os chineses não são de rasgar dinheiro, eles parecem estar mais confiantes no futuro do Brasil do que os brasileiros da oposição. Tem algo aí que não bate, para além das panelas.


Vida que segue

Tucano golpista assina ponto sem trabalhar



 Organizador de manifestações contra a corrupção e contra a presidente Dilma Rousseff nas ruas de Vitória, no Espírito Santo, o líder do movimento Vem Pra Rua, Armando Fontoura, foi flagrado por câmeras da Câmara Municipal batendo o ponto de presença e indo embora sem trabalhar; nas imagens, ele vestia bermuda, sandálias e óculos escuros; o líder oposicionista diz não se lembrar do episódio, para ele, uma "trama diabólica"; Fontoura, que acabou demitido, foi eleito no último domingo 17 o novo secretário do diretório municipal do PSDB; ele também é acusado de fraude na eleição interna por integrantes da juventude do PSDB, que afirmam que ele teria filiado pessoas de sua família para poder participar da disputa


247 – O líder do movimento Vem Pra Rua em Vitória, no Espírito Santo, foi flagrado por câmeras da Câmara Municipal da capital batendo o ponto de presença vestido de bermuda, camiseta, sandálias e óculos escuros e indo embora sem trabalhar.

O vídeo causou sua exoneração, mas ele afirma desconhecer as imagens e não se lembrar de ter feito isso. O fato aconteceu em março de 2013, mas o vídeo só foi divulgado ontem.

Fontoura foi um dos organizadores de manifestações contra a corrupção e contra a presidente Dilma Rousseff nas ruas de Vitória. Para ele, a divulgação do vídeo é uma "trama diabólica".

Questionado pelo jornal A Tribuna sobre se sua conduta como assessor na Câmara condizia com o que prega nas ruas, Fontoura respondeu: "Minha luta sempre foi pública e quem me conhece sabe que eu não coaduno com nenhum tipo de malfeito".

No último domingo 17, Armando Fontoura foi eleito secretário do diretório municipal do PSDB. O vídeo foi divulgado por integrantes da juventude do PSDB, após a eleição da Executiva Municipal da legenda.

Eles denunciam uma fraude na disputa interna: Armando Fontoura teria a senha do programa de filiação do partido e teria filiado várias pessoas de sua família para participar da eleição. "O Armando conseguiu filiar pessoas que nunca tiveram ligação com o PSDB. Ele ligou para os parentes irem votar. Teve gente que foi votar de pijama", contou Bárbara Kuster, 25.

Para Elias José Salim, 20, a chapa vencedora, encabeçada por Wesley Goggi, e que tem Armando Fontoura como secretário, só está atrás de cargos, não tem ideologia. "Eles achavam que teriam cargo no governo com César Colnago (PSDB) como vice-governador", disse. O líder do Vem Pra Rua respondeu ser normal ter parentes filiados ao partido, mas não precisou o número de familiares que foi votar por ele no domingo passado.

segunda-feira, 18 de maio de 2015

Boa noite. Bom de se ouvir

Agressão ao filho de Noblat: direita começa a colher o que semeou





O colunista e Blogueiro da Globo Ricardo Noblat é um dos pontas-de-lança dessa direita midiática que bate panelas cravejadas de brilhante e copos de cristal em restaurantes contra os programas sociais do PT.

Seguramente, o jornalista, em seu Blog e em sua coluna no jornal O Globo, deu uma contribuição sem par para o ódio contra o PT. De cada dez matérias que publica no Blog, onze atacam o PT, Lula, Dilma ou aliados deles que os apoiam – porque há "aliados" do partido que nem agem como adversários, mas como inimigos.

O que mais reflete o viés de um blog político – ainda que alguns blogueiros e jornalistas tenham a mania de tentar vender que não têm inclinações políticas – é o teor da maioria dos comentários de seus leitores.

Basta entrar no Blog do Noblat para perceber qual é o viés político de sua página. Os defensores da ditadura militar pretérita e da "intervenção militar presente são maioria esmagadora dos comentaristas.

Na tarde de domingo, 17 de maio, porém, ocorreu uma agressão a um filho de Noblat que se este tiver algum resquício de consciência irá refletir que derivou da militância política escancarada que faz nos espaços em que escreve.

Guga Noblat integrou a trupe de "repórteres-humoristas" do programa CQC (Custe o Que Custar), da Band, de 2012 a 2014. Na 8ª temporada, em 2015, foi demitido. Isso ocorreu justamente após passar a ser hostilizado na rua por sua opção política – é tido como simpatizante do PT.

Guga já sofreu várias agressões por suas ideias políticas, sobretudo quando trabalhava para a Band, em serviço. No domingo, porém, o que aconteceu com ele foi inaceitável. Chega a ser espantoso que no Blog de seu pai não tenha saído uma mísera nota sobre o episódio.

Guga mora ao lado do Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand, popularmente conhecido como MASP, na avenida Paulista. Estava chegando em casa com sua esposa e filho quando encontrou, no caminho, uma turba de endinheirados de extrema-direita que batia panela contra o PT.
Tão logo foi reconhecido, passou a ser agredido apesar de levar uma criança presa ao corpo, um bebê, sua filha, neta de Ricardo Noblat. Guga foi agredido por ter sido reconhecido como petista notório ou por simplesmente estar usando uma camiseta vermelha?

Quem conhece esses maníacos da avenida Paulista sabe que tanto faz. Um anônimo que passasse perto dessa gente vestindo vermelho teria sido agredido verbal e fisicamente.

No vídeo, curtíssimo, pode-se notar que um idoso exaltado tenta empurrar Guga e sua esposa, obrigando-os a sair do espaço público em que todos estavam. Nesse momento, o agressor é advertido pela voz da esposa de Guga, que certamente estava filmando, para que não "chegasse perto".
Assista, abaixo, à gravação em vídeo do ocorrido.

Se esses fascistas fazem isso com uma família levando um bebê de meses de vida, o que não fariam se o rapaz estivesse sozinho?

Poderia ter acontecido uma fatalidade. O idoso fascista e exaltado chegou a empurrar a esposa de Noblat, como o vídeo deixa claro. Se Guga reagisse como qualquer marido poderia reagir ao ver a esposa sendo empurrada, seria linchado a socos, pontapés e, quiçá, paneladas.

O pior é que muitos desses que promovem esses protestos fascistas podem ter filhos, netos, irmãos, pai, mãe, enfim, familiares ou até amigos próximos que tenham opinião política favorável ao PT ou que, inadvertidamente, possam ter escolhido se vestir com a cor que um bando de lunáticos resolveu "proibir" na rua. E que podem ser feridos ou até assassinados em um momento de descontrole como o que você viu no vídeo acima.

O mais impressionante em tudo isso é que no vídeo se vê pessoas que estavam naquele ato de ódio recriminando o rapaz por não sair com o rabo entre as pernas por ter sido xingado ao chegar em casa.

O post-denúncia que Guga colocou no Facebook, até o meio da tarde de segunda-feira já tinha cerca de 1.300 compartilhamentos. A grande maioria das centenas de comentários o apoiou, mas havia vários comentários recriminando-o por se revoltar ao ser insultado e apupado simplesmente por estar na rua usando uma camiseta vermelha.



Eduardo Guimarães

Eduardo Guimarães é responsável pelo Blog da Cidadania

China investe US$ 53 bi no Brasil e desaponta Aécio, imprensa e quem aposta contra

Uma boa notícia que não foi manchete em nenhum jornal, nem mesmo em site especializado em economia, talvez pelo fato de boa notícia não vender jornais, é a chegada do premiê chinês Li Keqiang, que desembarca no Brasil nesta terça-feira (19) trazendo na bagagem um suculento pacote de projetos de cooperação, no valor total de US$ 53 bilhões (R$ 160 bilhões).
A cereja do bolo é a participação chinesa na chamada Ferrovia Transoceânica, que ligará a brasileira Ferrovia Norte-Sul à costa do Pacífico, no Peru. É um projeto estimado para custar entre US$ 4,5 bilhões (R$ 13,5 bilhões) e US$ 10 bilhões (R$ 30 bilhões).A Transoceânica permitirá que o Brasil exporte pelo Pacífico soja e minério de ferro, dois dos seus principais produtos no comércio com a China, barateando o custo. Continue lendo aqui

domingo, 17 de maio de 2015

Boa noite.Fiquem com esses fantásticos poetas

Vates e Violas, com os irmãos Miguel Marcondes e Luis Romero

Globo fala em “erro” na matéria sobre o Ciência Sem Fronteiras


 Após falsear denúncia sobre o programa do governo federal, emissora pede desculpas e fala em "erro da reportagem" na mensagem dada pelo apresentador Chico Pinheiro, do Bom Dia Brasil; a estudante que reclamou no Facebook do viés da matéria, no entanto, disse que explicou "inúmeras vezes" à repórter que não voltou dos EUA pela insegurança causada por falta de dinheiro, "até porque essa foi a ÚNICA parcela da bolsa que não caiu durante todo o meu intercâmbio (...) Mas a Globo achou mais interessante omitir isso e inventar um motivo mais atraente"


A Globo falou em "erro da reportagem" na matéria exibida na semana passada sobre o programa do governo federal Ciência Sem Fronteiras. O pedido de desculpas da emissora, feito por meio do jornalista Chico Pinheiro, que apresenta o Bom Dia Brasil, foi veiculado na sexta-feira 15, depois que uma estudante que participou da matéria acusou a Globo de "mentira" pelo Facebook.

"Nós apuramos que Amanda não voltou antes da hora. Ela terminou o curso e desistiu de fazer o estágio após o fim das aulas. Foi um erro da reportagem e nós pedimos desculpas a você, nosso telespectador, e para Amanda, que reclamou com toda a razão", disse Chico Pinheiro. Em sua mensagem, porém, a aluna sugere que a Globo tenha dado um viés diferente para a reportagem de forma proposital.

"Eu NÃO voltei para o Brasil pela insegurança gerada pela falta do dinheiro. Até porque essa foi a ÚNICA parcela da bolsa que não caiu durante todo o meu intercâmbio. Eu voltei pelo simples motivo que minhas aulas na UFT começariam agora e eu julguei não valer a pena perder outro semestre (e isso foi dito INÚMERAS VEZES na minha entrevista. Mas a Globo achou mais interessante omitir isso e inventar um motivo mais atraente)", diz trecho de seu texto, que define a reportagem como uma "mentira" e chama a Globo de "sensacionalista"

Para se livrar da cadeia, Fernandinho Beira-Mar deve se filiar ao PSDB


Só há uma porta para Fernandinho Beira-Mar sair da prisão pela porta da frente, entrar no PSDB. Não consta que seja dele o helipóptero. Se ele fosse funcionário da Assembleia Legislativa de Minas transportasse 450 kg de cocaína muito possivelmente seria candidato a senador, presidente. Sem filiação partidária, ao contrário de FHC, Aécio Neves, Zezé Perrella, amargará 120 de prisão. Os assassinatos cometidos são muito parecidos com assassinatos de reputação por notórios criminosos, como Alberto Youssef. Acuse Lula ou Dilma e logo será escolhido para herói. Pó pará, Fernandinho! 

Assim, sem o parecerista do PSDB pelo Impeachment, morto Mauro Chaves, não terás salvação.

Não sei se seria possível, mas talvez devesse trocar seu advogado. Tenho uma dica:

– Fale com Jorge Pozzobom, Fernandinho. Ele tem uma dica perfeita para livra-lo da prisão!

Beira-mar pega 120 anos por mortes em Bangu

:
Traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, foi condenado a 120 anos de prisão pelo homicídio de quatro rivais no presídio de Bangu 1, em 11 de setembro de 2002, no Rio de Janeiro, mortos durante uma rebelião; com a sentença, ele acumula um total de 253 anos e seis meses de prisão e ainda responde por outros crimes


247 – O traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, foi condenado a 120 anos de prisão pelo homicídio de quatro rivais no presídio de Bangu 1, em 11 de setembro de 2002, no Rio de Janeiro.
A sentença foi proferida na madrugada desta quinta-feira (14) no Tribunal de Justiça do Rio, pelo juiz Fábio Uchoa.
Beira-Mar foi condenado por homicídio duplamente qualificado contra quatro detentos: Ernaldo Pinto Medeiros, Carlos Alberto da Costa, Wanderlei Soares e Elpídio Rodrigues Sabino, mortos durante uma rebelião.
"Na presente empreitada criminosa, o réu agiu com intensa culpabilidade, na medida em que exercia uma posição de notório comando junto à famigerada facção criminosa denominada Comando Vermelho e, após a execução das vítimas, dirigiu-se até elas para obviamente conferir a execução das vítimas e nesse momento selecionando e poupando ao seu bel prazer, as vidas dos demais sobreviventes da quadrilha rival, denominada ADA – Amigos dos Amigos".
Com a sentença, o traficante acumula um total de 253 anos e seis meses de prisão no Rio de Janeiro. Ele ainda responde por lavagem de dinheiro, contrabando e associação para o tráfico internacional de drogas.

Fonte:Ficha Corrida

Herança maldita de Eduardo Campos:Cidade da Copa não vai sair do papel


cidade da copa
O vice-governador de Pernambuco, Raul Henry, não disse com todas as letras, mas quem esteve na sabatina que ele participou na última quinta (14) na Assembleia Legislativa, entendeu nas entrelinhas que o projeto chamado de “Cidade da Copa” não vai sair do papel.

A ideia de um megaempreendimento imobiliário nos redores da Arena Pernambuco, com prédios residenciais, comerciais, supermercados e outras estruturas de serviços, perdeu o timming, ou seja, fazia sentido em um Brasil em franco crescimento econômico, e não, no atual cenário de desaceleração da economia e retração do mercado de imóveis.

Raul Henry balbuciou algo sobre aproveitar a área para construir outlets – lojas que vendem a ponta de estoque de marcas conhecidas – para movimentar o estacionamento da Arena, o que geraria recursos ridículos comparados ao da Cidade da Copa.

O fato é que a evidente não construção por parte da Odebrecht da Cidade da Copa é mais uma pá de cal que se coloca sobre a Arena de Pernambuco, pois era justamente o empreendimento que viabilizaria o equipamento, estimulando inclusive o aumento de fluxo do transporte público, principal calo da Arena.

Que por enquanto, permanece uma joia, brilhando sozinha no meio do nada.

O colunista de Política do Jornal do Commercio, Giovanni Sandes, é um dos maiores especialistas nos assuntos da Arena em Pernambuco e na edição deste sábado (16) ele escreveu sobre o fim da Cidade da Copa em sua coluna diária. Para ler a Pinga-Fogo, clique aqui.

Tucano chama professora de biscate

SOLIDARIEDADE À PROFESSORA ADRIANE SOBANSKI

A violência, física ou verbal, é inaceitável. Contra a mulher, a violência é ainda pior. Quando essa agressão parte de um parlamentar, que se vale da sua condição para intimidar ou atacar a vida pessoal de alguém, temos a combinação de violência covarde com abuso de poder.

É assim que agiu o presidente estadual do PSDB do Paraná, deputado federal Valdir Rossoni, que no último sábado protagonizou mais um episódio lamentável de machismo e falta de respeito.

Em discussão pelo facebook, Rossoni ficou sem argumentos e xingou a professora Adriane Sobanski de “biscate”, conforme relata o blog do Esmael Morais. Rossoni é reincidente no machismo. Em 2010, pelo Twitter, ele chamou a então estudante Vanessa de Brito de “mal amada”.

Atitudes como essa não podem ser ignoradas, toleradas nem chanceladas. Não podem ser reduzidas à “mal entendidos” ou ser silenciadas com pedidos vazios de desculpas, que legitimam que outras agressões sejam cometidas diariamente contra as mulheres em suas mais distintas e perversas faces. 

Um deputado que sente liberdade de fazer isso em público, pode fazer algo mais grave em privado.
Seu discurso reforça o machismo na nossa sociedade, onde as mulheres já sofrem todo tipo de violência. É lamentável!

Mandetta também aluga carros de empresas sem sede

Que moral tem esse bandido para acusar quem quer que seja?


Deputado do DEM-MS é mais um que aluga carros de locadoras pouco conhecidas, que têm como sede imóveis onde não se vê nenhum vestígio da atividade comercial declarada
Uma velha casa, com a pintura desgastada, onde antigamente funcionou uma floricultura e atualmente é uma modesta residência, consta nos registros da Receita Federal como sede da Renove Rent a Car, de Campo Grande (MS). Outra casa na capital sul-mato-grossense também está registrada como sede da ML Veículos Rent a Car e Turismo. 

Em comum entre elas, o fato de alugarem veículos mediante pagamento da Câmara dos Deputados; não apresentarem nenhum vestígio de funcionamento no local de uma empresa de locação de automóveis; nem atenderem a um mandamento básico do marketing nos dias atuais, que é divulgar a sua marca e seus serviços por meio de uma página na internet – despesa acessível até para o mais humilde dos empreendimentos.

Despesas do gênero são pagas pela Câmara através da Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (Ceap), mais conhecida como cotão.

Quem escolheu as duas locadoras foi o deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS). Entre 2011 e 2013, ele gastou mais de R$ 56 mil com o aluguel de veículos nas duas empresas. A Renove foi contratada apenas em 2011. Foram feitos três pagamentos totalizando quase R$ 10 mil. Já a ML Veículos recebeu o restante dos valores desembolsados, em sete repasses entre 2011 e 2013. A Renove Rent a Car é de propriedade de Olíbio Balbueno, e a ML Veículos pertence a Míria Pinto Balbueno.

Segundo informações repassadas por escrito pela assessoria de imprensa do deputado, os veículos variam de acordo com a necessidade, mas em geral são alugados carros do modelo Gol. “Os veículos são locados para atender à necessidade de deslocamento do deputado e assessoria na capital e para os municípios do interior”, afirma a nota (veja a íntegra).

De acordo com o gabinete do parlamentar, “o critério de escolha da empresa de locação é baseado inicialmente no levantamento de preço”. “Entre as empresas que apresentaram menor custo para a mesma categoria de veículo, opta-se por prestigiar o comércio local, especialmente as microempresas”, diz o deputado, por intermédio da assessoria.

Ela acrescentou que Mandetta aluga atualmente um Gol de uma terceira empresa, a Rental Locadora de Bens e Veículos Ltda., também sediada em Campo Grande, no seguinte endereço: Rua Joaquim Murtinho, 2080, bairro Chácara Vendas. “A empresa foi selecionada pelos mesmos critérios das anteriores”, completa a nota.

A assessoria não comentou por que o parlamentar optou por contratar locadoras que não divulgam o seu trabalho e funcionam em casas residenciais.

Médico, especializado em Ortopedia Pediátrica, Mandetta tem 48 anos e está no seu primeiro mandato político. Antes, presidiu a Unimed de Mato Grosso do Sul (de 2001 a 2004) e foi secretário municipal de Saúde de Campo Grande (de 2005 a 2010).