terça-feira, 21 de julho de 2015

Considerações urgentes antes da prisão ilegal de Lula

Faço minhas as palavras de Miguel do Rosário.

0,,21429484-EX,00
Desculpem o título sensacionalista, mas o momento pede um pouco de dramatismo. 

Previsivelmente, a Procuradoria do Distrito Federal está fechando apoio ao procurador que abriu inquérito contra Lula, conforme mostra essa nota da instituição.

Não será tão fácil derrubar esse inquérito absurdo e ilegal. 

A conjuntura política atualmente está assim: "tá achando ruim? espera que ainda vai piorar muito".

De fato, o pensamento mais otimista que podemos ter, por enquanto, é que as coisas devem piorar ainda um bocado antes de começarem a melhorar.
Mas vão melhorar. 

Se a dialética é uma lei importante da história, as coisas vão melhorar. 

Ao crescimento da direita e do golpismo, corresponderá a consolidação da resistência. 

Há alguns séculos, a esquerda era composta por grupos clandestinos e minoritários. 

Desde então, já foi responsável por inúmeras revoluções, constituiu impérios, tomou Estados, governos, formou grandes partidos, assumiu um papel central na política global.

O jornal com maior audiência do mundo na internet, o The Guardian, é classificado como de centro-esquerda. 

Ou seja, a primeira coisa a fazer é não engolirmos a falácia do "fim da esquerda". 

A esquerda nunca foi tão forte como nessas últimas décadas. 

A China, país comunista, está muito perto de se tornar a maior economia do mundo.

Nova York acaba de eleger um prefeito ultra-esquerdista.
ScreenHunter_6038 Jul. 21 12.22
A esquerda ganhou, no Brasil, as quatro últimas eleições presidenciais. 

O PT ainda é o partido com maior bancada na Câmara dos Deputados.

O segundo turno eleitoral de 2014 foi vencido após uma campanha fortemente ideológica e polarizada, entre esquerda e direita. 

E ganhamos!

Entretanto, é melhor adotarmos a fórmula de Gramsci: pessimista em teoria, otimista na ação.

Quanto ao Ministério Publico Federal, este se tornou, há tempos, o "monstro" previsto por Sepúlveda Pertence. 

Todas as suas características estamentais, corporativas, aristocráticas, vieram à tôna e assumiram a hegemonia. 

Tornou-se uma entidade política à serviço dos setores mais retrógrados da classe dominante.

Nenhuma investigação do MP vai para frente sem o aval da mídia. 

A denúncia contra Lula é a prova disso. Começou na mídia, instalou-se com a mídia e se sustenta exclusivamente através da mídia.

Faz parte do plano: criminalizar Lula, para inviabilizá-lo politicamente. 

Assim, se derrubarem a Dilma, a esquerda não tem mais ninguém para substituí-la imediatamente numa nova eleição.

A acusação contra Lula, de "lobby internacional" em favor do Brasil, entrará nos anais da história do cinismo.

Os tucanos - exercendo cargo público - fazem lobby descarado para os estrangeiros virem aqui, comprar barato nossas empresas.

Lula - como cidadão privado - faz lobby lá fora para que outros países adquiram produtos e serviços brasileiros.

O MP e a mídia tentam criminalizar quem?

Lula. 

Em seu blog, Paulo Nogueira lembra que Lula paga por não ter feito a regulamentação da mídia.

Concordo, mas é bom ressalvar que a regulamentação é apenas umas das coisas que o PT poderia ter avançado. 

Lula fez a TV Brasil, por exemplo, numa luta encarniçada contra a mídia. E aí? Fez e depois abandonou. Dilma não dá entrevista à TV Brasil. 

Dilma e seus ministros parecem ter medo sequer de tocar no tema da comunicação e da mídia. Não tem como fazer regulação no congresso? Ok, mas e aí, isso quer dizer que não se pode tocar no assunto? 

O governo vai levar um golpe midiático e não vai nem emitir um gemido de dor? 

Não vai adiantar a Dilma vir à público, aos 44 minutos do segundo tempo, como ela sempre faz, e falar em golpe. 

Tem de denunciar agora, com inteligência. Chamem os estudiosos da academia, preparem documentos políticos de alto nível para denunciar as manobras de manipulação das notícias.

Leiam a entrevista de Pablo Iglesias, do Podemos, partido que representa a nova esquerda espanhola, para a New Left Review. Ele fala, de maneira muito clara, que a esquerda sempre será derrotada enquanto se aliar à mídia de direita. 

A esquerda tem de criar a sua própria mídia, pelo bem estar da população.

A gente não quer só comida. A gente quer comida, diversão e arte!

Comida, teto e democracia!

Como o governo pensa em formular políticas em prol da educação sem falar de mídia?

E a TV Brasil, por que não usar melhor? 

Ninguém monitora a audiência da TV Brasil? 

Como está o sinal em todo país? Está bom, está ruim? 

A TV Brasil não tem política inteligente para a internet, para anunciar e promover seus programas?
Não há nada estimulante para a juventude na TV Brasil? 

Por que o Racionais MC, os grafiteiros, os rappers de periferia, os estudantes, as bandas independentes, os blogueiros, os movimentos sociais, o passinho, os festivais internacionais de cinema, não estão na TV Brasil?

O governo deixou que proliferasse, dentro da TV Brasil, um republicanismo absolutamente conservador. É possível que boa parte dos jornalistas e servidores da TV Brasil sejam hoje contra o governo, o mesmo governo que criou a empresa onde eles trabalham. 

Dizem que a TV Brasil é do "Estado", não do governo, e daí censuram a própria Chefe de Estado!

E nem posso culpá-los: Dilma não vai à TV Brasil fazer política, não cuida pessoalmente da gestão da TV Brasil.

Outra coisa: o dinheiro para a Globo. Nada explica a montanha de dinheiro dada à Globo e aos grandes meios de comunicação tradicionais. Nem a mídia técnica explica. O governo deveria ter, há muito tempo, criado políticas públicas para usar a verba institucional de maneira mais eficiente. 

A justificativa da mídia técnica se tornou absolutamente esquizofrênica. Como é possível anunciar em veículos que agem como partido de oposição contra o governo e contra as estatais?

Não tem sentido. 

É investimento em desfavor de sua própria imagem. 

É como se o governo cubano investisse em publicidade na Fox.

É como se o governo Bush investisse em publicidade no Granma. 

Depois de tanto apanhar, a comunicação ainda não é vista pelo governo como uma dimensão estratégica da política. 

E o discurso da antipolítica entranhou-se no próprio PT. 

Muitos petistas não tem sequer consciência disso. 

Acham que é normal nomear um diretor de Polícia Federal antipetista. 

O preconceito antipolítica tornou-se natural, orgânico, dentro do PT.

O Lula engoliu essa pílula bonitinho, e agora é perseguido criminalmente por causa desse erro.

Quando o governo for derrubado por um golpe parlamentar e midiático, e todos os petistas e aliados, incluindo Lula, forem presos, sob acusações inventadas por procuradores e delegados tucanos, através de denúncias forjadas na mídia, e condenados por juízes-justiceiros que ganham o prêmio Faz Diferença da Globo, talvez o PT faça um congresso dentro de um presídio, no qual esse republicanismo antidemocrático, mudo, covarde e suicida seja reavaliado. 

Governo tem de fazer política. Tem de identificar os adversários e ir, democraticamente, para a ofensiva. 

Tem de nomear diretores da PF alinhados politicamente ao governo. 

Nomear um PGR alinhado ao governo.

Nomear ministros do STF fortemente alinhados ao governo.

É assim que fizeram e fazem os tucanos, sem piscar!
É assim que fazem todos os governos do mundo.

Nos EUA, é cultural e institucional. O presidente dos EUA nomeia todos os juízes federais, todos os procuradores federais. 

Os juízes da suprema corte americana tem de ser totalmente alinhados ao partido no poder. 

E o governo, qualquer governo, tem de montar redes de apoio na sociedade.

O que Dilma fez para montar redes de apoio na sociedade? Não sei.

A política de comunicação do governo tem sido, até agora, dar entrevista à Globo, Folha e Veja. 

No primeiro mandato de Dilma, a estratégia era quebrar omeletes no programa de Ana Maria Braga.

Agora é dar entrevista ao Jô às três horas da manhã.

Não mudou muita coisa, portanto. É só Globo, Globo, Globo.

Há ensaios para se mudar isso, e talvez esta seja a razão pela qual a mídia quer derrubar Dilma o mais rápido possível. 

***

Abaixo, um texto sobre o "lobby" de Lula, só para mostrar o quão ridícula é esta acusação. É assustador ver, mais uma vez, as instituições brasileiras agindo contra o Brasil, contra a democracia, contra a política, contra nossa maior liderança popular. 

Nos últimos meses, o MP já foi aos EUA pedir ajuda às autoridades daquele país para destruir a Petrobrás e a Odebrecht, e agora atropela leis e bom senso para perseguir Lula, com acusação esdrúxula de "lobby internacional".
***
Primeiro ministro de Portugal desmente suposto lobby de Lula a favor da Odebrecht
Da RBA (via DCM)

O primeiro-ministro de Portugal, Pedro Passos Coelho, desmentiu hoje (20) matéria do jornal O Globo, publicada ontem (19) sobre suposto lobby do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em favor da construtora Odebrecht. “O ex-presidente Lula da Silva não me veio meter nenhuma cunha para nenhuma empresa brasileira”, afirmou o primeiro-ministro à imprensa portuguesa.

“Para ser uma coisa que toda a gente perceba direitinho, é assim. Não me veio dizer: há aqui uma empresa que eu gostava que o senhor, se pudesse, desse ali um jeitinho. Isso não aconteceu. E nem aconteceria, estou eu convencido, nem da parte dele, nem da minha parte”, afirmou também o primeiro-ministro português.

A expressão “meter uma cunha” a que Coelho se refere significa em Portugal “fazer lobby” e se fosse dita por aqui daria margem a interpretações ambíguas em razão de o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), vir atuando em sua gestão com mão pesada em favor dos interesses conservadores. Não demoraria para que “meter uma cunha” por aqui ganhasse muitos significados sobre o comportamento pouco democrático do presidente da Câmara.

De acordo com a reportagem do jornal, o pedido de Lula em favor da Odebrecht teria relação com a privatização da Empresa Geral de Fomento (EGF), de Portugal. Em nota divulgada ontem, a assessoria de imprensa do Instituto Lula acusou o jornal da família Marinho de omitir informações sobre o assunto. “O jornal O Globo não se atenta aos fatos e faz distorções para prejudicar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”.

Um comentário:

Maria Mota disse...

Concordo quase totalmente com seu texto, integralmente em relação a mídia e a falta de alternativa, tem muita gente boa fazendo coisas incríveis que deveriam ter espaço. O PT
é ruim, muito ruim de comunicação e a Dilma também.