sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Kassab pode ser intimado a depor por máfia dos fiscais.Tem que intimar Roberto Freire também



Esse promotor falastrão não só tem que pedir para  intimar Kassab, tem também de pedir para intimar José Serra e, principalmente  Roberto Freire, que recebeu por vários anos sem trabalhar na gestão Serra/Kassab.

"O ex-prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), pode ser convocado a depor sobre o suposto esquema de cobrança irregular de ISS (Imposto Sobre Serviço) a construtoras na capital paulista. Segundo o promotor Roberto Bodini, a declaração do ex-subsecretário da Receita Municipal, Ronilson Bezerra Rodrigues, apontado como chefe da chamada máfia dos fiscais, serve como "prova" e será investigada.

Segundo Rodrigues, o secretário e o prefeito com quem trabalhou tinham ciência de toda a fraude. "Chama o secretário e os prefeitos com que eu trabalhei. Eles tinham ciência de tudo", disse ele numa conversa com Paula Sayuri Nagamati, chefe de gabinete da secretaria de Assistência Social e com quem, segundo denúncia do Blog da Cidadania, tinha um caso.

"Primeiro a gente tem que saber o que é o tudo. Precisamos saber se, além de ter ciência, havia conivência e depois saber se havia intenção de auferir vantagem", disse o promotor. "Vou avançar no 'tudo', vou avançar no 'tinha ciência'. Se necessário for, vou ouvir o secretário e o prefeito", acrescentou Bodini, para quem a declaração de Rodrigues, detido com outros três auditores no último dia 30, é uma "prova", mas que precisa de investigações.

Até então declarando as acusações que envolviam seu nome como "absurdas", Gilberto Kassab sugeriu hoje, em entrevista à Rádio Bandeirantes, que a declaração do fiscal teria sido calculada. "Essa informação vem de pessoas que sabiam que estavam sendo monitoradas e fizeram isso para tumultuar o processo", disse o ex-prefeito. "Sabiam e fizeram isso para tumultuar. Qualquer criança faria essa suposição", acrescentou. Curiosamente, essa suposição foi feita hoje cedo por Reinaldo Azevedo (leia aqui), em defesa de Kassab.


O promotor afirmou que não pedirá a manutenção da prisão dos três auditores – um deles, o agente de fiscalização Luis Alexandre Cardoso Magalhães, fez acordo de delação premiada e foi liberado na segunda-feira. "Entendemos que o tempo de prisão temporária cumpriu a finalidade", justificou. De acordo com o promotor, a investigação do Ministério Público "não é pessoal, não é política e não é partidária".Brasil247

Um comentário:

luiz ribeiro disse...

Será que vão aplicar nesse caso e no caso do trensalão a teoria do domínio do fato? Ou esta teoria só vale contra o PT?