terça-feira, 24 de dezembro de 2013

2013, o ano em que a Globo beijou a lona




Com o fim de 2013, não podemos de deixar de mencionar que a Rede Globo, foi a grande derrotada deste ano. Mesmo com toda manipulação na cobertura dos protestos de maio. Quando a emissora tentou creditar 500 anos de mazelas do Brasil, na conta da presidenta Dilma Rousseff. Tentando fomentar os protestos, a mesma foi repudiada severamente pelo povo nas ruas. Em um sinal claríssimo que o sonho global iniciado no governo militar, tinha chegado ao fim. Tanto que o principal grito de guerra das manifestações foi. "Fora Rede Globo, o povo não é bobo!".
Hoje no findar do ano, depois da tempestade... Dilma voa em seu de brigadeiro, e a emissora dos Marinho vê sua audiência despencar e sua credibilidade beijar a lona. Mudanças no Jornal Nacional e no Fantástico são exemplos, do desespero global para tentar conter a queda na audiência. Nas ruas às equipes de reportagens globais são hostilizadas. Link ao vivo na Globo, é sinal de perigo para os profissionais de imprensa da emissora.
Apesar dos irmãos Marinho, possuírem uma fortuna de aproximadamente R$ 50 bi, segundo a Forbes, eles já não dão as cartas no Brasil como no passado. Denúncias e escândalos como o de sonegação fiscal da emissora inibem a cede global. Mas herdeiros de Roberto Marinho tentam dar seu último suspiro, para instalar sua "redação" novamente no Palácio do Planalto.
A emissora em 2014 vai atacar com vários nomes, com a criação de salvadores da pátria. No nordeste, tentando recriar um caçador de marajás mais "muderno", com o governador de Pernambuco, Eduardo Campos. Do Leblon, vão lançar Aécio Neves. Se os nomes acima não decolarem, vão para desespero, com Joaquim Barbosa pelo no partido PSTF. Outra saída seria lançar os globais Luciano Hulk e Marina Silva.
Não podemos duvidar de nada, ou alguém já se esqueceu da bolinha de papel, que "atingiu" José Serra em 2010? Grana a Globo já tem, mas para manter o império, um global no Planalto, seria bem mais fácil de conter a eminente discussão sobre aplicação de uma lei de democratização dos meios de comunicação no Brasil, como foi feito na Argentina, onde o grupo Clarin (a Globo da terra da Maradona), foi obrigada a dividir seu império de comunicação.
Essa lei em vigor no Brasil seria o golpe de misericórdia nos Marinho. Em fim, 2013 entrou para história, com o brasileiro colocando um ponto final no sonho global, fazendo a Rede Globo beijar a lona. Duvido que os Marinho vão querer fazer um "Vale pena ver de novo!" de 2013.

Alexandre Braga

3 comentários:

Mery disse...

Salve a rede Globo *

feliz Natal ...

beijos

Vanderson Medeiros disse...

se não tivesse tantos error de português, eu até compartilhava.

Fernando Ladeia disse...

Ô Vanderson, voce fala de erros... E o que é ERROR? Leve por um quilo; vale a pena compartilhar.