domingo, 25 de agosto de 2013

Os canalhas não arruinarão a nossa lavoura


Lula Miranda 


Oligarcas, coronéis, hipócritas, conservadores, reacionários vocês já morreram! Essa nação já não vos pertence! Esse novo país que ora se alevanta e se agiganta não lhes pertence!

Os “donos do Brasil” estão nus!

Isso é o que parece nos gritar as manchetes da revista Isto É nessas últimas semanas. A mais recente foi: “A conta secreta do propinoduto – Documentos vindos da Suíça revelam que conta conhecida como “Marília”, aberta no Multi Commercial Bank, em Genebra, movimentou somas milionárias para subornar homens públicos e conseguir vantagens para as empresas Siemens e Alstom nos governos do PSDB”.

E agora, José [Serra]? E agora, Geraldo Alckmin? E agora, FHC? E agora, Merval Pereira? E agora, Sardenberg? E agora, Joaquim Barbosa? 

E agora, todos os hipócritas e falsos moralistas desse país?

Os supostos e pretensos “donos do Brasil” [bem como seus áulicos e sabujos] estão nus!

Isso é o que parece nos gritar, todos os dias, a “criança” em sua ingenuidade e pureza. Não propriamente a criança da famosa e tão conhecida fábula que, finalmente, num arroubo de “criancice”, teve a “coragem” e o “desprendimento” de dizer que o rei estava nu. Não exatamente essa criança da fábula da roupa nova do rei, mas essa outra “criança”, que surge a cada nova manhã: o novo Brasil.

Esse novo país que brota a despeito dos seus líderes e governantes de um passado de ruínas, que, tal qual fantasmas, insistem em nos assombrar e amedrontar com suas sombras e semblantes crispados, medonhos, carrancudos. Mas já não temos o medo a nos subjugar.

Quem vai dizer aos mortos o seu derradeiro caminho, para que não nos assombrem mais? Quem vai lhes dar a definitiva e cristalina mensagem: de que já morreram; que já “passaram”; que seu tempo já passou?

Oligarcas, coronéis, hipócritas, conservadores, reacionários vocês já morreram! Essa nação já não vos pertence! Esse novo país que ora se alevanta e se agiganta não lhes pertence! Pertence ao povo brasileiro, protagonista de seu destino.

Esse novo país que construímos com a argamassa da coragem e da vontade, desde garotos, guiados pelo farol da utopia, movidos pelo “tesão” libertário e libertador.

Essa argamassa, esse nosso artesanato, que moldamos com arte e engenho, foi ungida com a liga do sangue, suores e lágrimas derramados por nossos companheiros na luta contra a ditadura. Essa liga, ocioso duvidar, tem a força do mais duro aço. Não se rompe fácil. Não se romperá assim à toa.

Para que a vida vingasse, para que a luz sobrepujasse as sombras muitos dos nossos tiveram que morrer. Não mais!

Com o sangue, suor, lágrimas e o destemor dos que construíram tijolo a tijolo, num desenho lógico, mas poético, um novo sindicalismo de lutas e uma nova história para além das classes dominantes nesse país. Isso é o que nos conta a nossa verdadeira história. Não a história contada pelos “jornalistas” a serviço dos donos do poder e do “jornalismo” que serve ao mercado e não à cidadania.

A nossa lavoura é feita de sangue, suor e lágrimas.

E as flores que dela irão brotar, estejamos certos, não mais servirão para adornar os salões da Casa-Grande ou os grandes bailes de máscaras e convescotes de uma elite promíscua, egoísta, decrépita, ultrapassada.

Os supostos, pretensos, atávicos, caquéticos “donos” e “sinhozinhos” do Brasil não conseguirão arruinar a nossa lavoura tão dedicada quanto delicada.

Eu, Lula Miranda, poeta que sou e me fiz na defesa dos ideais de uma sociedade mais justa e igualitária, que não traí, essa boa e nobre causa, princípios e fins de toda uma juventude, tenho fé na força inabalável que as coisas parecem ter quando elas precisam acontecer – isso já nos ensinaram outras palavras e outros poetas.

Tenho fé na força das palavras e dos que lutam ao lado da verdade, e faço aqui essa minha prosa poética como se fora uma espécie de oração.

Os canalhas não arruinarão a nossa lavoura – delicada e dedicada, reitero!

Os canalhas não arruinarão a nossa arte e engenho!

Os canalhas não conseguirão arruinar o nosso jornalismo!

[Em que pese a falta de decência, o despudor, o escárnio, a degradação social, o vexame de dois jornalistas da grande imprensa que, recentemente, celebraram e brindaram a desgraça de seus inimigos políticos, num simulacro de “dia da vitória”, sugerindo um jantar com degustação de boa comida e  vinhos caros.]

Os canalhas não conseguiram arruinar a nossa alegria!


Os canalhas, os contumazes violadores da ética, da dignidade e da cidadania não conseguirão nos desviar de nossa utopia!

3 comentários:

Graziela disse...

KKKKK
Não guento nem no domingo os Senhor descansa.
Os canalhas 'violadores da ética '.

A nossa lavoura é feita de SANGUE SUORES E LÁGRIMAS KKKKK
oOS CANALHAS NÃO ARRUINARÃO A NOSSA ALEGRIA KKKKK
CADUCOU É?
PIROU OU BEBEU TODAS COM O SEU LULÃO DORMIU COM ELE E TÁ SONHANDO AINDA ..
ô peste nordestina , tem mais é que extinguir todos . É um mal que não serve para nada. Afoguem as mulas e os filhos da s mulas! KKKK
Até mais falso doctor .
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

O TERROR DO NORDESTE disse...

Vá tomar no cu, sua cadela safada, prostituta de quinta categoria,o que você quer está mole nesse momento, mas pode ficar dura se você abrir as pernas.

Jose Dantas Bitencourt disse...

Valeu Lula Miranda, seu desabafo reflete a maioria dos brasileiros que têm a mínima consciência do que esses crápulas têm feito com o noss País e o nosso povo. Parabéns.